O poder do psicológico coletivo.

Olá amigos rubro-negros!

Vencer, vencer e vencer. Eu posso, eu quero, eu vou…

Parabéns Ney Franco pela brilhante leitura do jogo e do desempenho de cada jogador durante o próprio jogo!

Veio, viu e venceu.

Como já disse em textos anteriores, Ney Franco precisaria tirar leite de pedra, assim como vários coelhos da sua cartola. Ontem o fez muito dos dois, quando, de virada, venceu o Vasco da Gama, por 2 X 1, em pleno São Januário. Os seus comandados jogaram com confiança, “sangue no olho” e, principalmente, muita, mas muita mesmo, vontade de vencer, especialmente no segundo tempo. Foi um time confiante. Foi uma equipe equilibrada psicologicamente. Salvo algumas poucas exceções, o coletivo, a disciplina tática, a raça e a doação estiveram presentes em cada jogador durante quase todo o tempo. Pudemos constatar que aquele que sabe lidar com o poder do psicológico coletivo e que faz a leitura correta e toma atitude em tempo hábil é recompensado com um bom resultado. Já dizia o alquimista que “aquele que deseja alguma coisa do fundo do seu coração e faz por merecer todo o universo conspira para que ele consiga o seu objetivo”. Assim o foi ontem.

Poderíamos ter terminado a primeira etapa perdendo por um placar maior, mas a sorte estava do nosso lado. Vamos pedir a Deus que ajude o Vitor Ramos a se ajudar, porque do jeito que ele vai, não sei não. É preciso que volte a ser aquele xerife de antes. Vamos chamá-lo à responsabilidade. Outro que está precisando de ajuda é o garoto Vander. Precisa de uma terapia para diminuir o seu narcisismo, o tamanho do seu (super) ego e a sua individualidade. Foi o único que destoou do espírito coletivo. Ainda bem que Ney Franco estava atento e consertou a tempo, substituindo-o por Alemão. A sorte estava com Ney.

O Vitória sem Escudeiro é um, com ele é outro. E olhe que ele está ainda sem ritmo. Ele é o símbolo do poder do coletivo. Ele contagia a todos com o seu exemplo de dedicação. Ele está em toda a parte do campo. Até Cajá melhorou, apesar de ainda estar longe daquele Cajá de tempos atrás. Que bom que o Presidente Alexi Portela confirmou que o elenco ainda precisa de “um meia e um volante”. E que estes devem ser do nível ou superior aos que já temos. Há muito, eu e toda torcida rubro-negra vem dizendo isso.

E Marquinhos em gente? Caramba! Um chute daquele, naquela hora, é ou não é fruto do poder do psicológico coletivo? Assim falou o Senhor Todo Poderoso: “filho, fazei tua parte que eu te ajudarei”. Ney Franco confiou, motivou e teve o retorno devido. Até que enfim vencemos a nossa segunda partida fora de casa. A última foi contra o Náutico por 3 X 0 em 29/05/2013 – quase quatro meses depois.

Agora é hora de solidificarmos a nossa posição, ganhando do Grêmio no próximo sábado (21/09 – 21 horas), no Barradão. VAMOS LOTAR O NOSSO SANTUÁRIO!!!

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Anúncios

Sobre rocharubronegro

Apenas um rubro negro apaixonado.

Publicado em setembro 21, 2013, em Rocha. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: