Arquivo mensal: setembro 2014

Se…

Olá amigos rubro-negros!

Como a maioria de vocês devem saber, eu sou do interior da Bahia, mais precisamente de Bandeira do Colônia, distrito de Itapetinga, vizinho (separado pelo Rio Colônia) de Itororó, sudoeste do estado. Pois bem “sêo minino”, nos tempos idos, lá pelas bandas de Itororó, quando a coisa tava preta, costumávamos dizer que “se fosse isso, se fosse aquilo” não teria acontecido aquilo, ou aquilo outro. Resumindo, se minha avó não tivesse morrido, ela estaria viva. O “se” é uma fuga, ou justificativa para aquilo que não aconteceu, ou melhor (pior), mas se tivesse acontecido, tudo seria diferente. A bola não entra por acaso e a sorte sempre acompanha os competentes…

Lá no interior também se dizia e diz que se a cobra tem “furico”, nós estamos no “furico” da cobra. Quando os resultados não aparecem e/ou não favorecem, só nos resta apelar para o famoso “se”. A hora é de fazer contas… E o que é pior é que a luz do fim do túnel está cada vez mais fraca. Não dá prá ver essa luz. Zero ponto nos dois últimos jogos é muito pouco, é nada!

O Esporte Clube Vitória já jogou vinte e cinco (25) partidas, ou sejam, setenta e cinco (75) pontos disputados, ganhando menos de um terço (1/3), estando com vinte e quatro (24) pontos (vá de retro), precisando de, pelo menos, mais uns vinte e um (21) pontos em trinta e nove (39) a serem disputados para se livrar do terrível rebaixamento. Faltam treze (13) jogos, sendo sete (07) dentro do Barradão. Exatamente os vinte e um (21) pontos que precisamos. Isto que dizer que temos que ganhar todas as partidas dentro de casa. É e será muita pressão.

Voltemos ao “se”. Se o time tivesse jogado contra o Palmeiras como jogou contra o Atlético Mineiro, certamente o resultado seria outro. Se Vinícius tivesse feito pelo menos um daqueles gols contra o Atlético, a partida poderia ter tomado outro rumo. Se Juan não tivesse perdido os pênaltis contra o Figueirense e contra o Flamengo, estaríamos com vinte e seis pontos e fora da zona maldita. Estes são alguns “se” que mudariam completamente o rumo das coisas.

Já dissemos diversas vezes que o que vale é o resultado. Jogou bem contra o Atlético Mineiro e perdeu. Jogou mal contra o Palmeiras e também perdeu. É do conhecimento de todos nós que, com o elenco regular que temos, o que faz a diferença mesmo são a vontade de ganhar, a raça, a determinação, a disciplina tática e o sangue no olho.

Ontem (28/09), os comentaristas do SportTV, Lédio Carmona e André Risek, disseram que time ruim quando acha uma ou mais oportunidade (s) de gol (s) e não faz, com certeza será punido, pois o adversário não vai perdoar. Eles estavam comentando sobre o jogo entre Figueirense e Palmeiras (classificou os dois de ruins – perdemos para ambos, sendo Palmeiras duas vezes, cá e lá) e o lance em que Valdívia achou uma oportunidade de ouro para matar o jogo e não fez (o Palmeiras estava ganhando de 1 X 0 até os quarenta minutos do segundo tempo). O Figueirense fez três gols em cinco minutos. Foi o caso do Vitória contra o Atlético Mineiro. Vinícius teve a bola do jogo (duas vezes) e desperdiçou. Tardelli matou! Dava para prever o gol quando a jogada começou no meio de campo. O cara partiu com um vontade e uma velocidade da zorra.

Pois é meus amigos, temos que ganhar do Botafogo (04/10 – 16h:20), Goiás (08/10 – 21h), Cruzeiro, Criciúma, São Paulo, Coritiba e do Santos dentro do Barradão e beliscar alguns pontinhos fora de casa contra o Sport Recife (12/10 – 18h:30), Corinthians, Grêmio, Chapecoense, Figueirense e Flamengo. Missão difícil, quase impossível…

Que os “se” fiquem a nosso favor e que o Nosso Bom Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, Todos os Santos, Anjos, Serafins e Querubins intercedam por nós, por que a coisa tá preta, a situação tá difícil, dificílima…

Eu acredito! Deveremos fazer a nossa parte e ter (todos nós, principalmente jogadores e comissão técnica) muita humildade (sempre e do fundo do coração), vontade de vencer, raça, determinação e sangue no olho em todos os jogos que faltam.

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Anúncios

PALMEIRA x ECV e o próximo ATLÉTICO MINEIRO x ECV

PLANEJAMENTO DE NEY

ESTRATÉGIA: Vencer o Palmeiras dentro da sua própria casa jogando da mesma forma, com o mesmo desempenho que jogamos em ‘nossas casas’, aproveitando a ‘confiança mental’ dos jogadores depois de duas vitórias, e se distanciar da Z-4.

TÁTICA: Manter a formação 4-4-2 mexendo o mínimo possível no time com as alterações, que foi obrigado a fazer. Retornar com Adriano como primeiro volante, e no ataque entrar com William Henrique no lugar de Vinícius.

 

DESENVOLVIMENTO

            Mais um jogo e mais uma nova escalação, dessa vez, obrigado a fazer. Jogou desde o início de igual para igual desde o início contra um time que estava jogando em casa, em situação delicada, sob pressão da mídia, dos torcedores, de patrocinadores, etc. Ou seja, um time extremamente mobilizado. Todos nós sabíamos que: se o Palmeiras fizesse um gol logo no início do primeiro tempo (não precisava ser necessariamente no início) incendiaria o jogo a favor deles; se esse gol não saísse no primeiro tempo, o time ficaria nervoso, a torcida, também nervosa, pressionaria o time e poderíamos assim ter uma situação psicológica a nosso favor para tentar definir o jogo.

Essa partida, pela situação psicológica geral criada pela mídia e torcida, era uma partida singular, e precisava de uma estratégia singularexplorar o momento psicológico ruim do adversário (os jogadores do Palmeiras tiveram palestras motivacionais de psicólogos durante a semana). Mas, parece que Ney se preocupou mais em manter a performance do próprio time, do que se ater a especificidade dessa partida, e explorar as fraquezas momentâneas do adversário; e não pesou, devidamente, qual a repercussão na auto-estima de nossos jogadores uma derrota, nesse momento, poderia provocar.

 

PLANEJAMENTO POSSÍVEL ALTERNATIVO

ESTRATÉGIA: Estudar, primeiramente, as modificações feitas pelo Palmeiras, pois ninguém poderia acreditar que estudando os jogos anteriores deles saberíamos qual o esquema tático deles para essa partida considera crucial. Manter o momento psicológico bom do ECV, e explorar o momento psicológico ruim do adversário. Vencer seria o ideal, mas um empate seria bem vindo. O ideal seria manter o moral do grupo – tentar ‘beliscar’ uma vitória fora de casa, mas manter a auto-estima dos jogadores para ter as vitórias necessárias dentro de casa. Evitar o gol do adversário no primeiro tempo. Não subestimar o adversário que está num momento ruim, mas que é um time com bons jogadores e um bom técnico e que está mobilizado psicologicamente – evitar, pelo menos inicialmente, jogar aberto de igual para igual.

 

TÁTICA: Jogar com um time mais fechado na formação 4-5-1, compactando o meio de campo com quatro volantes e um meia, ou três volantes e dois meias; ter o máximo de posse de bola; Modificar, em algum momento que achar OPORTUNO no segundo tempo, para uma formação mais ofensiva 4-4-2 e até mesmo progredindo para uma 4-3-3.

O PLANEJAMENT ERRADO DE NEY – FALTOU MAIOR CAUTELA: JOGAMOS DE IGUAL PARA IGUAL COM UM TIME QUE ESTAVA NUM MOMENTO RUIM, MAS UM TIME BOM, PERIGOSO E MOBILIZADO PSICOLOGICAMENTE, SEM EXPLORAR TODAS AS VANTAGENS PSICOLÓGICAS A NOSSO FAVOR.

 

 

PRÓXIMO JOGO CONTRA O ATLÉTICO MINEIRO

 Contra o Atlético Mineiro não poderemos contar com nenhuma vantagem. O ideal é time fechado (4-5-1) e maior posse de bola; modificar, em algum momento que achar OPORTUNO no segundo tempo, para uma formação mais ofensiva 4-4-2; vencer seria o ideal, mas o empate será bem vindo. E, antes de qualquer coisa, proteger o moral do grupo para o jogo contra o botafogo no Barradão.

 

JOEVITÓRIA1899

SAUDAÇÕES RUBRO-NEGRAS

Ney Franco vence seu primeiro baVI.

Olá amigos rubro-negros!

Finalmente Ney franco vence seu primeiro baVI (2 X 1)! Que seja o primeiro de muitos. Que continue humilde, pois assim poderá nos livrar do fantasma do rebaixamento. Venceu e convenceu. Ontem (21/09), o time do VITÓRIA poderia ter saído com um placar mais amplo, não fossem os gols perdidos, bolas na trave…

Não poderia ser melhor: saímos da zona maldita e empurramos o jahia prá lá. Saímos da lanterna e fomos para a 14ª colocação. Que alívio!!! Apesar de estarmos somente com um ponto acima do “Z4”. O bom é que o time impôs seu ritmo de jogo, principalmente depois da braga do gol deles. Em parte foi até bom, pois, depois do gol, o time acordou e ficou ligado até o fim. Jogou com garra, determinação, disciplina tática e com muita vontade de vencer. Isso fará sempre a diferença. Que tenhamos essa regularidade e que se jogue sempre com sangue no olho.

Outra coisa boa é que temos o melhor desempenho do returno, com setenta e cinco por cento (75%) de aproveitamento, contrapondo ao pior do primeiro turno. Agora é aguardar a recuperação de Escudero para termos mais opções na armação do time.

Pois é meus amigos, como já disse algumas vezes, o que vale é o resultado. Quando se ganha, tudo são flores. Ainda mais para o timinho de Itinga e jogando bem. Aí não são só flores, são buquês… Que segunda-feira maravilhosa! O sol estava mais brilhante, mesmo entre nuvens. O ruído dos carros parecia uma orquestra tocando o Bolero de Ravel, enfim tudo está lindo e maravilhoso. Que toda essa energia positiva contagie a todos e permaneça por muito tempo.

Ontem, quando cheguei na Arena Fonte NOSSA, encontrei o Presidente Falcão e perguntei se ele imaginava qual seria o título do meu texto de hoje e ele respondeu que não, mas que gostaria de saber. E eu lhe disse que seria “Ney Franco vence seu primeiro baVI”. Assim o foi. Assim o é. Eis que Rochadamus voltou!!!

Pelo clima pré-jogo, tinha certeza que venceríamos esse baVI. Poderia ter sido até de goleada. Poderia ter repetido o placar da inauguração da arena (5 X 1), mas o que eu queria mesmo era que ganhássemos, mesmo que fosse de meio (½) a zero. Estamos de alma lavada! É bom demais ganhar dos sardinhas.

Que venha o Palmeiras na próxima quinta-feira (25/09), 19h:30, em São Paulo, no Estádio do Pacaembu. Não podemos dar chance para o azar, pois eles vêm com tudo para saírem da lanterna. Ney Franco precisa armar um time mais fechado, compactado e consciente como o foi ontem. Tem que suportar a pressão inicial e tirar proveito da ansiedade deles.

Já estamos vendo uma luz no fim do túnel. Vamos ver faróis. Vamos continuar fazendo o dever de casa e de fora dela também.

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Vitória 2 x 1 Bahia

3×1

image

Vou pegar leve…

Olá amigos rubro-negros!

Na quarta-feira passada (10/08), na saída do Barradão, após a vitória sobre o Inter por 2 X 0, um amigo Conselheiro do ECVitória me indagou: “e aí, não vai escrever não? Quero ver o que vai escrever? Só escreve quando perde?” Eu lhe respondi: Não vou escrever, pois vou viajar amanhã cedo e só retorno no próximo domingo. Porém, quando retornar e escrever meu próximo texto, prometi prá mim mesmo: vou pegar leve… (Será?)

Antes do jogo com o Inter, estávamos na lanterna com quinze (15) pontos; com a vitória, passamos para a décima oitava (18ª) colocação, com dezoito (18) pontos. Seria ou será o início de uma caminhada para fora da zona maldita e busca da permanência na elite do futebol brasileiro, NOSSA GRANDE CONQUISTA NESTE ANO (não cair para a segundona – que Deus nos ajude). Porém, eis que chega domingo (14/09) e as nossas esperanças são minguadas.

Perdemos para o Atlético Paranaense por 2 X 0 e retornamos à lanterna, num jogo em que não vimos a garra, a determinação, a vontade de vencer e o sangue no olho que o time mostrou diante do Inter. Esperamos que isso volte a acontecer na próxima quarta-feira (17/09), às 19h:30, no Barradão, contra o Fluminense. Estarei lá para assistir e depois escrever sobre o que acontecer; espero e torço para que sejam coisas boas, mas, em verdade vos digo: não taparei o sol com a peneira; não fecharei os olhos para tudo de ruim que nos aconteceu neste ano; não serei ou agirei como um fanático, um cego que não quer ver a situação em que estamos…

Agora, complementando a minha resposta, digo-lhe, e a todos os mal informados que, semanalmente, desde outubro/2011, venho escrevendo para meu blog WWW.rocharubronegro.com e que o amigo Lucas Serra também divulga no seu blog WWW.ecvitorianoticias.com, isto independente do Vitória ganhar, perder ou empatar. Escrevo sobre o que vi, o que senti, ou o que ouvi dos amigos, dos torcedores. Contudo, sempre sobre algo que possa valer à pena. Esta é a minha proposta; este é o objetivo do meu escrever, além de registrar, no tempo e no espaço, os meus pensamentos, os meus sentimentos, os momentos que acho importantes e, principalmente, as minhas idéias e opiniões sobre tudo que envolve o meu, o seu, o nosso GLORIOSO ESPORTE CLUBE VITÓRIA.

Faço isso com paixão, com amor, com pensamento estruturado, lógico e racional; procuro fazê-lo com toda a leveza, beleza e a sutileza que a vida me tem proporcionado, assim como ao contrário, ou seja, com toda a crueza, firmeza e independência que a situação, os fatos e a realidade requererem. Da mesma forma, não o farei por FANATISMO ou por conveniência, pois, como já escrevi em outros textos, o ECV está acima de A, B ou C. SOMOS MAIS VITÓRIA. O VITÓRIA É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Copiando o termo do fantástico “Sêo Françuel”, que está de volta, “derivo”: o maior mal da humanidade é a ignorância. Dela origina um outro grande mal, o fanatismo. Devemos combatê-los conscientemente. Pertenço a uma Instituição, formada por homens livres e de bons costumes, escolhidos pelas suas qualidades, que tem como objetivo tornar feliz a humanidade, pelo amor e seu aperfeiçoamento, e que combate a ignorância, o fanatismo, os preconceitos e os erros. Por isso e com muita leitura (estudo) e capacitação/treinamento na filosofia, psicologia, finanças, economia, gestão estratégica, e ainda com muito trabalho, construí a minha independência, principalmente de cabeça, de idéias, buscando ter uma consciência crítica, pautada na sabedoria do viver, respeito aos diferentes e em valores morais sólidos.

Seguem, para reflexão, alguns pensamentos de Carl Jung: “Erros são, no final das contas, fundamentos da verdade. Se um homem não sabe o que uma coisa é, já é um avanço do conhecimento saber o que ela não é. Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro. O ego é dotado de um poder, de uma força criativa, conquista tardia da humanidade, a que chamamos vontade. Quando pensamos, fazemo-lo com o fim de julgar ou chegar a uma conclusão; quando sentimos, é para atribuir um valor pessoal a qualquer coisa que fazemos. Uns sapatos que ficam bem numa pessoa são pequenos para uma outra; não existe uma receita para a vida que sirva para todos. Aquilo a que você resiste, persiste. Até onde conseguimos discernir, o único propósito da existência humana é acender uma luz na escuridão da mera existência. O que não enfrentamos em nós mesmos, acabaremos encontrando como destino. Sonho é realização de desejos ocultos e é a ferramentas que busca equilíbrio pela compensação. É o meio de comunicação do inconsciente com o consciente”.

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

O que falar…

Olá amigos rubro-negros!

Eu e toda a torcida do Leão da Barra não temos mais o que falar…

Já falamos tudo nos textos anteriores. Já falamos o que tinha de ser dito durante todo este trágico, horrível e inesquecível (no pior dos sentidos) ano de 2014. Ano que é para se esquecer, para apagar da história do Esporte Clube Vitória.

Falamos, falamos e falamos e o que mudou? Nada! Só decepção. Só tristeza. E o que esperar para o segundo turno? O pior! Só Jesus Salva. Só um GRANDE MILAGRE para não cairmos.

Nós, HOMENS de pouca fé? Não!

ELES, homens de muitas fezes? Sim! É uma fábrica de mer… Desculpem-me, mas paciência tem limites.

Revendo o que escrevi neste ano, constatei que procurei, o tempo todo, mostrar o que estava acontecendo e alertando para os pontos crucias e estratégicos, sofrendo a cada derrota e a cada perda de título ou saída das Copas do Nordeste e do Brasil. O sofrimento foi tanto que me levou a um estresse sem limites e a uma esofagite (quase curada).

Passei o início deste ano acreditando que seria diferente, que seria um ano vitorioso, de conquistas… Vislumbrava uma era Falcão de consolidação, um feliz 2014. A cada derrota, imaginava que ela serviria de aprendizado, pois continuava acreditando no planejamento. Às vezes não sabia nem o que escrever, já que era uma porrada em cima da outra. Isso em janeiro. Imaginem como estamos todos agora em setembro? Acabados, desiludidos, decepcionados, sem esperança, sem nada… Todos à espera de um milagre!

Precisamos ganhar, no mínimo, dez partidas. Difícil? Dificílimo para quem, nesse primeiro turno, ganhou apenas três (uma dentro de casa), empatou seis e perdeu dez (cinco dentro de casa). Vejam as Estatísticas do ECV. É o pior mandante e a pior defesa do Campeonato Brasileiro. Com quinze pontos ganhos e a lanterna, além de não vencer há seis rodadas, está com o pífio aproveitamento de pouco mais de vinte e seis por cento (26,3%).

Já dissemos várias vezes que O pior cego é aquele que não quer ver; que O que vale é o resultado. Sabemos que o que faz a diferença é a humildade, é muita vontade de vencer, é ter sangue no olho e o coração no bico da chuteira, assim como que um bom gestor tem que saber fazer acontecer

Pelos links deste texto, vimos que não temos mais o que falar. É chover no molhado. É repetir, repetir e repetir o que já foi visto, já foi dito, já foi aconselhado, já foi alertado…

E agora, José? José para onde…

Quarta-feira (10/08), no Barradão, às vinte e duas horas, começa o segundo turno, quando o ECVitória enfrentará o Internacional, terceiro colocado (34pts), buscando reverter todo esse quadro, construir suas estatísticas positivas e pedir a Deus, Todos os Santos, Orixás, Anjos, Serafins e Querubins para que operem um milagre, um grande milagre (temos quase setenta e seis por cento de chance de ser rebaixado – 75,8%). O que falar…

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

O que vale é o resultado.

Olá amigos rubro-negros!

Durante todo o tempo que antecede um jogo do ECVitória, assim como durante ele, fico imaginando sobre o que vou escrever, em especial sobre o tema central do texto. Ontem não foi diferente. Cheguei à concentração (Passarela do Álcool) antes das dezesseis horas. Na ida, encontrei o amigo Carlinhos, Líder da Torcida Organizada “Camisa 12”, e falei sobre isso. Que o título poderia ser: Ney Franco, mágico ou bruxo, a depender do resultado do jogo contra o Flamengo. Assim como o chamei de “O AFUNDADOR DA PÁTRIA”, gostaria de escrever o contrário neste texto, pois a mão que apedreja é a mesma que afaga, ou vice-versa, mas o que vale é o resultado.

Apesar de termos ganho do Sport Recife, por 1 X 0, na quinta-feira (28/08), com “os reservas”, esperávamos que ontem (31/08), com “os titulares”, pudéssemos ganhar do Flamengo em nosso Santuário, outrora respeitado e que fazia uma diferença incrível. Saudosos tempos!

Mas eis que um jogador fez novamente a diferença: Juan, mais uma vez, perdeu um pênalti, além de cometer outro. E assim perdemos mais um jogo dentro de casa, desta vez para o Flamengo por 2 X 1. Assim como no jogo contra o Figueirense, tivemos a chance de sair de campo pelo menos com um empate, mas o azar nos acompanha. Azar? A sorte sempre acompanha os competentes!

E o time, como jogou? Bem melhor que nos jogos anteriores. Com mais determinação, mais raça, enfim com mais vontade de ganhar, ou pelo menos, como dizia Jorginho, disposto a vender caro a derrota, se é que isso serve para alguma coisa, pois no fundo, no fundo o que vale mesmo é o resultado.

Continuamos na lanterna, não pontuamos, apesar dos resultados dos jogos dos nossos concorrentes ao rebaixamento terem nos favorecido, não fizemos a nossa parte. Está difícil, muito difícil!

Ontem, o meu amigo Oliveira (aquele das orações e profecia), antes de Juan perder o pênalti, ele virou de costas para não ver, porém eu lhe pedi para ficar de frente e olhar, no que ele me atendeu, mas ficou gritando “é gol, é gol, é gol”… Falei para ele que aquela era a segunda vez que, antes do pênalti ser batido, alguns torcedores ficavam gritando é gol, é gol, é gol. Pedi que não o fizesse mais, pois não gosto. Acho que o efeito é o contrário. Supertições!!!

E o lado bom de ontem, se é que teve? O nosso maestro Escudero voltando a correr e a jogar bem; as diversas opções para o treinador escolher a melhor formação e as melhores substituições. Que possamos fazer uma boa campanha na Sul Americana e que, principalmente, possamos sair dessa situação vexatória de lanterna do Brasileirão. Para isto é preciso muita vontade de ganhar, disciplina, harmonia, pois o que vale é o resultado e a NAÇÃO RUBRO-NEGRA está a esperar por dias melhores.

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Fotos da semana!

%d blogueiros gostam disto: