Arquivo mensal: setembro 2013

Teste para cardíaco.

Olá amigos rubro-negros!

Ainda bem que você está lendo este texto. Isto prova que você sobreviveu ao jogo eletrizante, empolgante e todos os “antes” possíveis, além de INACREDITÁVEL, em que o GLORIOSO ECVITÓRIA goleou a forte equipe do Atlético Paranaense, por 5 X 3, no Estádio Durival de Britto, na noite desse domingo (29/09). Foi ou não foi um teste para cardíaco? Se você não morreu, prova que o seu coração está muito bom, ou melhor, por ser torcedor do VITÓRIA, você já dá provas que é DE CORAÇÃO BOM OU DE BOM CORAÇÃO, o que dá no mesmo.

Ontem foi assim: INACREDITÁVEL E INCRÍVEL. Inacreditável por que nem o mais otimista dos rubro-negros imaginava que o LEÃO DA BARRA ia terminar o primeiro tempo ganhando de 3 x 0. Incrível porque, da mesma forma, nem o torcedor mais pessimista pensava que íamos viver mais um sufoco e sair derrotado de virada como o fomos contra o Goiás no ano passado. Pensamos todos: já vi e vivi esse pesadelo! Valei-nos Nossa Senhora da Vitória, padroeira do Leão! Sofremos, rezamos, ganhamos e sobrevivemos a mais um teste para cardíaco.

Você pensou que seria diferente? Ser VITÓRIA é assim mesmo: quando tudo parece fácil, tudo fica difícil.

Foi um jogo em que tivemos diversos heróis, dentro e fora do campo. Dentro de campo, além de Renato Cajá, Dinei, Airton e o jovem Willian “Calopsita” Henrique que fizeram os gols, todos os outros jogaram um primeiro tempo impecável, especialmente o goleiro Wilson. Vimos muita raça, foco e, principalmente, determinação tática. E o segundo tempo? Foi de ensinamento. Espero que todos tenham aprendido o óbvio: o jogo só termina quando acaba e que é preciso, o tempo todo, ter concentração, disposição e sangue no olho. Não existe jogo fácil. Não é a toa que o Atlético esta no G4, assim como não é a toa que estamos na sexta colocação.

Reservei um parágrafo especial para o GRANDE PROTAGONISTA do jogo, o LEÃO MÁGICO ou o MÁGICO DO LEÃO, aquele que não cansa de tirar leite de pedra, aquele que sempre tira coelhos da cartola, aquele que transforma água em vinho. Seu nome, NEY FRANCO. A mesma mão que apedreja é a que afaga. A César o que é de César. Já disse antes que DEUS AJUDA A QUEM CEDO MADRUGA e que a humildade e o trabalho são a base do sucesso. Ney Franco tem os dois e o resultado está aí para comprovar: nos últimos seis jogos, ganhou três (duas fora de casa) e empatou outros três. Botou o time pra frente, provando que a melhor defesa é o ataque. Vem valorizando as pratas “de ouro” da casa. É acolhedor, tanto que a maioria dos jogadores fez questão de comemorar com ele, em especial William Henrique. PARABÉNS NEY FRANCO! Não deixe o efêmero sucesso subir para a cabeça da meninada. Cada jogo é uma história que tem que ser vivida de forma intensa e diferente, pois o detalhe faz a diferença. Lembrem-se: a mão que afaga é a mesma que apedreja.

Estamos em festa e motivados, porém quarta-feira (02/09 – 21 horas) teremos uma outra pedreira pela frente. E digo mais: temos que brocar o Goiás e vingarmos as derrotas do ano passado (4 X 3) e deste ano (1 X 0). Eu falei VINGARMOS mesmo. Vamos jogar com raiva, raça, determinação e sangue no olho. Depois de ontem, temos que nos impor seja contra quem for!

Torcedor: vamos fazer a nossa parte – lotar a ARENA FONTE NOSSA, nosso campo de recreação. Façamo-lo!

VALEU VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Anúncios

Humildade e trabalho são a base do sucesso.

Olá amigos rubro-negros!

Mais uma vez o senhor Renato Cajá saiu de campo debochando da torcida do VITÓRIA, quando foi substituído, sob vaias, no jogo de sábado à noite, no empate sem gols com o Grêmio Porto Alegrense. Ele precisa saber que a torcida é soberana. Ela pode tudo. E ele? Ele é funcionário do ESPORTE CLUBE VITÓRIA, que lhe paga bem e em dia. E o que ele tem que fazer? Jogar bola e bem também, o que não tem feito há muitos jogos. Ele precisa saber que humildade e trabalho são a base do sucesso. Tem que tomar vergonha na cara e procurar jogar o futebol que um dia jogou e por causa dele foi contratado. Mais uma vez precisa de um corretivo.

O Campeonato Brasileiro é longo e disputadíssimo. Cada jogo é uma história diferente e que precisa ser jogado de forma determinante, com muita raça como se fosse uma decisão, pois assim o é. A cada partida, a cada jogo definimos ou redefinimos o nosso futuro dentro da competição. Cada detalhe, cada jogada, cada jogador, cada minuto, cada lance fará (ou farão) a diferença. Todo o time precisa estar imbuído do mesmo propósito; cada Jogador precisa dar o seu sangue até a última gota; A Comissão Técnica precisa estar atenda a cada detalhe, principalmente quanto ao comportamento desse ou daquele jogador que destoa do espírito coletivo; assim como os dirigentes deverão dar o devido respaldo a todos para alcançar o melhor para o CLUBE E SUA TORCIDA. Nada poderá estar acima do bem coletivo.

Foi um jogo duro. Poderíamos ter saído com uma vitória, mas o empate foi o mais justo para as duas equipes. Como rubro-negro fervoroso, queria e quero que o NOSSO LEÃO DA BARRA VENÇA SEMPRE.

Tenho gostado das atitudes de Ney Franco. Tenho gostado do que ele vem fazendo com cada jogador, dando a oportunidade e a motivação necessárias para que demonstre se merece fazer parte do elenco do VITÓRIA. QUE CADA UM SAIBA APROVEITAR ESSA OPORTUNIDADE.

Teremos uma semana para ajustar o time. Esperamos que algumas peças que estão no departamento médico retornem, principalmente Maxi e Cárceres, pois assim Ney Franco terá mais opções para montar um time mais competitivo para o difícil jogo contra o Atlético Paranaense no próximo domingo (29/09 – 18:30 horas), no Durival de Britto.

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

O poder do psicológico coletivo.

Olá amigos rubro-negros!

Vencer, vencer e vencer. Eu posso, eu quero, eu vou…

Parabéns Ney Franco pela brilhante leitura do jogo e do desempenho de cada jogador durante o próprio jogo!

Veio, viu e venceu.

Como já disse em textos anteriores, Ney Franco precisaria tirar leite de pedra, assim como vários coelhos da sua cartola. Ontem o fez muito dos dois, quando, de virada, venceu o Vasco da Gama, por 2 X 1, em pleno São Januário. Os seus comandados jogaram com confiança, “sangue no olho” e, principalmente, muita, mas muita mesmo, vontade de vencer, especialmente no segundo tempo. Foi um time confiante. Foi uma equipe equilibrada psicologicamente. Salvo algumas poucas exceções, o coletivo, a disciplina tática, a raça e a doação estiveram presentes em cada jogador durante quase todo o tempo. Pudemos constatar que aquele que sabe lidar com o poder do psicológico coletivo e que faz a leitura correta e toma atitude em tempo hábil é recompensado com um bom resultado. Já dizia o alquimista que “aquele que deseja alguma coisa do fundo do seu coração e faz por merecer todo o universo conspira para que ele consiga o seu objetivo”. Assim o foi ontem.

Poderíamos ter terminado a primeira etapa perdendo por um placar maior, mas a sorte estava do nosso lado. Vamos pedir a Deus que ajude o Vitor Ramos a se ajudar, porque do jeito que ele vai, não sei não. É preciso que volte a ser aquele xerife de antes. Vamos chamá-lo à responsabilidade. Outro que está precisando de ajuda é o garoto Vander. Precisa de uma terapia para diminuir o seu narcisismo, o tamanho do seu (super) ego e a sua individualidade. Foi o único que destoou do espírito coletivo. Ainda bem que Ney Franco estava atento e consertou a tempo, substituindo-o por Alemão. A sorte estava com Ney.

O Vitória sem Escudeiro é um, com ele é outro. E olhe que ele está ainda sem ritmo. Ele é o símbolo do poder do coletivo. Ele contagia a todos com o seu exemplo de dedicação. Ele está em toda a parte do campo. Até Cajá melhorou, apesar de ainda estar longe daquele Cajá de tempos atrás. Que bom que o Presidente Alexi Portela confirmou que o elenco ainda precisa de “um meia e um volante”. E que estes devem ser do nível ou superior aos que já temos. Há muito, eu e toda torcida rubro-negra vem dizendo isso.

E Marquinhos em gente? Caramba! Um chute daquele, naquela hora, é ou não é fruto do poder do psicológico coletivo? Assim falou o Senhor Todo Poderoso: “filho, fazei tua parte que eu te ajudarei”. Ney Franco confiou, motivou e teve o retorno devido. Até que enfim vencemos a nossa segunda partida fora de casa. A última foi contra o Náutico por 3 X 0 em 29/05/2013 – quase quatro meses depois.

Agora é hora de solidificarmos a nossa posição, ganhando do Grêmio no próximo sábado (21/09 – 21 horas), no Barradão. VAMOS LOTAR O NOSSO SANTUÁRIO!!!

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Não serve pra nada. Por Agnaldo SIlva*

Olá amigos rubro-negros!

Creiam numa coisa: a melhor forma de testar o grau de incompetência de um dirigente esportivo é observar o quanto de suas decisões obedece aos ditames da mídia; visto que repórter não tem experiência com nada. Seu labor é apenas falar e sem comprovar.

Pois, conduzir um negócio, agindo pelos ditos da imprensa é como se um gestor atirasse no escuro. Conversa de repórter não dá segurança. Os radialistas, por exemplo, apenas possuem a certeza de que tudo dará certo se for feito conforme suas ideias. E a comprovação? Alguém é capaz de apresentar alguma grande obra realizada por um cronista, locutor ou outro da espécie, na administração de um clube de futebol? Eu até hoje não sei. O que se sabe é que alguns componentes da mídia já tentaram prestar serviços a times de futebol e foram muito malsucedidos. No Rio de Janeiro, um famoso comentarista esportivo, chamado Washington Rodrigues, foi treinar o Flamengo e nem um jogo ganhou; sequer empatou. Perdeu todas as partidas e foi demitido como ruim. Outro caso notável ocorreu com o radialista Cléber Leite. Dirigiu o rubro-negro da gávea e também naufragou. Apenas transformou o clube em um maior devedor.

Mas, em sentido contrário, temos a história do Vitória. Seu maior crescimento ocorreu por perseguir alvos concretos, projetados por técnicos, deixando a mídia de lado, plantada em seu devido lugar. Apenas noticiando os fatos. Como se sabe, o Vitória firmou a imagem do estádio Manuel Barradas, quando todos faziam campanha contra, e as divisões de base colocaram atletas nas maiores equipes do mundo, enquanto a imprensa local só “esculhambava” nossas conquistas. Se a equipe de Paulo Carneiro fosse fraca, seríamos ainda um clubezinho sem expressão. No máximo continuando a ser uma segunda força do futebol da Bahia, tendo em sua linha de frente, um clube mambembe chamado ex-quadrão, hoje registrado como o eterno sardinha.

Como se sabe, a ferramenta de trabalho de certos repórteres é a língua. Fala muito, porque ganha para isso; mas não passa confiança. São clínicos gerais em todos os assuntos e não assumem o ônus daquilo que prega. Vejam o caso da fonte nova. Todos a colocavam como sendo segura, linda e bonita para se opor ao Barradão. A fonte caiu e todos ficaram calados. Piu! Será que a mídia não foi corresponsável? Piu de novo!

Portanto, senhores gestores, pensem, planejem e ajam com sabedoria. Só vocês, junto com a torcida, têm o poder de levar este futebol a ser um dia grande. Esta mídia local não serve pra nada.

Saudações rubro-negras!

* Agnaldo Silva é Bel em Direito e Contábeis e Agente de Tributos da SEFAZ/BA.

Enfim, um bom final de semana!

Olá amigos rubro-negros!

Começamos esse final de semana com a reinauguração, na sexta-feira, 18 horas, da Concentração da “Chácara Vidigal Guimarães” dos atletas profissionais do Esporte Clube Vitória. Vide fotos (http://valmerson.wordpress.com/2013/09/16/fotos-da-chicara-vidigal-guimaraes-concentracao/). O evento contou a presença de mais de cento e cinquenta (150) pessoas, entre Diretores, Conselheiros e Convidados. Antecedendo a inauguração, tivemos uma especial e belíssima apresentação do Grupo de crianças/adolescentes da Escolinha de música de Haroldo e André Macedo (filhos de Osmar Macedo, um dos criadores do Trio Elétrico). Conforme constatação, as instalações da concentração estão entre as melhores do país. Que a mesma qualidade possa ser refletida dentro de campo.

E parece que sim, pois o time do Vitória, após um longo jejum, voltou a vencer, conquistando três importantíssimos pontos na noite desse domingo (15/09), quando ganhou do Náutico, de virada, por 2 X 1, no Barradão, para um público pagante superior a dez mil (10.054). Isto após um empate fora de casa contra o Internacional na quinta-feira (12/09) por 2 X 2.

Com esse resultado, o time do LEÃO DA BARRA terminou a 21ª rodada com vinte e sete (27) pontos, ocupando a 11ª posição na tabela de classificação, com um aproveitamento de quase quarenta e três por cento (42,9%), ficando três pontos distante da zona de rebaixamento (Z4) e oito pontos do G4.

Na próxima quarta-feira (18/09), às 19h30min, enfrentaremos a equipe do Vasco da Gama, 17ª colocada (primeira do Z4), no Estádio de São Januário (RJ). Este jogo terá uma importância emblemática, pois, se ganharmos a partida, somaremos trinta pontos, passo mais que necessário para nos reaproximarmos da zona da Libertadores e colocarmos o Vasco na zona de rebaixamento. Poderemos terminar a rodada entre os dez melhores (do sexto ao décimo colocado). Teremos também a oportunidade de espantarmos a síndrome de jogar fora e a de ressuscitar defunto.

Pois é amigos rubro-negros: tivemos um bom final de semana e esperamos ter uma excelente semana.

Ney Franco tem motivado o grupo, tirando leite de pedra, como imaginávamos. Torcemos para que ele possa tirar vários coelhos da cartola, pois sabemos que o elenco do ECVITÓRIA é mediano/limitado, agravado pelo grande número de atletas contundidos e outros que desaprenderam a jogar futebol, como é o caso de Caijá. Precisamos ainda de algumas boas contratações para termos um time mais competitivo.

É preciso que os dirigentes entendam que as críticas e sugestões que os diversos articulistas/blogueiros fazem à gestão do futebol profissional do VITÓRIA, se bem recebidas, são melhores que os “AMÉNS” que os urubus do poder fazem para continuarem usufruindo das suas benesses.

O LIVRE ARBÍTRIO E A LIBERDADE SÃO OS MAIORES E MAIS IMPORTANTES BENS QUE O SER HUMANO TEM. Um ditador e/ou absolutista é conhecido de longe, especialmente porque estes nunca reconhecem esses valores democráticos. Quem não deve não teme.

"Se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder". Abraham Lincoln

“Dê o poder ao homem, e descobrirá quem ele realmente é”. Maquiavel

“O homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos outros”. Confúcio

VALEU VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

A vontade é determinante.

Olá amigos rubro-negros!

Entre chuvas e trovoadas o time do ECVITÓRIA QUASE ganha do Atlético Mineiro nesse sábado (07/09), quando acabou cedendo o empate (1 X 1) aos quarenta e um (41) minutos da etapa final.

Mereceu Ganhar? Mereceu! Jogou bem? A chuva não deixou ninguém jogar bem, só jogar. E o que vimos? Vimos que a vontade é determinante, ou melhor, a determinação em vencer, a raça, a garra e o sangue no olho superam as possíveis diferenças (inferioridade) técnicas.

O detalhe faz a diferença. E esse detalhe está na vontade, no compromisso, está na alma. Como disse Ney Franco, eu também vi alma no time, nos jogadores. Vimos a entrega. Estamos vendo uma luz no fim do túnel. Todos, jogadores, Comissão Técnica e Diretoria, precisam fazer a sua parte. É óbvio, não é? Já dissemos isso várias vezes. Agora, mais uma vez, vamos correr atrás do prejuízo. É hora, novamente, de, quem de direito, consertar as “mercadorias” que fizeram, ou que deixaram de fazer.

É hora de contratar jogadores de qualidade. É hora de dispensar jogadores sem – e olhe que não são poucos. É hora de redefinir os rumos, o planejamento (sic), as atitudes e tudo o mais que não foi feito. É hora de pés no chão. Já sonharam muito. A nossa realidade é outra. PELO AMOR DE DEUS, aprendam com seus erros! Aprendam com os erros dos outros também. É menos traumático. A NAÇÃO RUBRO-NEGRA NÃO AGUENTA MAIS SOFRER! Trabalhem com profissionalismo e façam com que realizemos nosso sonho: SER CAMPEÃO BRASILEIRO. SERMOS GRANDES. A TORCIDA O É.

Para este ano não queremos pesadelo, queremos menos sofrimento.

Precisamos é de time, é de boas contratações, é de bom elenco, é de uma boa gestão.

Vamos alterar o nosso estatuto, democratizando e profissionalizando o clube e dando maior transparência.

No final do ano haverá eleições pra os Conselhos Diretor e Deliberativo.

A hora é agora!

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

Estamos num mato sem cachorro.

Olá amigos rubro-negros!

Ave Maria, cheia de graça…

Vamos rezar e rezar muito, pois, aquilo que achávamos um absurdo, dito por CAIO Jr (Eu não CAIO junto!) e estampado no site do ECVITÓRIA na semana passada, que a meta dele era chegar aos quarenta e cinco (45) pontos e livrar o nosso time do rebaixamento, agora chegamos à conclusão que essa meta parece mais do que ousada. Passamos a pensar assim depois das duas últimas partidas, principalmente depois da derrota de ontem (04/09), por 2 X 1, para o Flamengo no Maracanã. Estamos ou não estamos num mato sem cachorro? Será que desse mato sairá coelho?

Pode até parecer cômico, mas é trágico! Não é brincadeira não meu irmão! O “Professor” Ney Franco vai precisar fazer mágica. Não sei como ele vai tirar um coelho (ou vários coelhos) da cartola, mas que vai precisar, isto vai. Ou melhor, ele vai ter que tirar leite de pedra.

Mais uma vez vou contrariar meus princípios de não falar desse ou daquele jogador. Vou falar de quase todos. E vou falar mal!

Primeiro, vou falar do time como um todo: antes, no início do campeonato, jogava bem nos primeiros vinte (20) minutos, de forma até avassaladora, e morria no final; agora, joga ruim, sem vontade, todo o primeiro tempo e, depois que toma um gol, joga e corre como doido os últimos minutos da partida, atrás do prejuízo, porém, quase sempre não reverte o placar.

Segundo, vou falar dos jogadores: Wilson fez o que pôde; Juan, pelo amor de Deus! Rafinha do Flamengo fez o que quis. Euller é infinitamente superior em tudo, bastam trabalhar o ego do menino, chamar à responsabilidade; Fabrício precisa se conscientizar que ele não é o jogador que ele pensa que é. Tem que ter consciência que zagueiro não pode querer ficar fazendo jogadinhas bonitas dentro da área. Já vimos o resultado disso em outras partidas e ontem também; Vitor Ramos precisa retornar para Nicole Bahls e voltar a ser o Tufão de antes; Caijá, nem se fala, tem que reencontrar a vontade de jogar futebol que um dia ele jogou; Michel, outro que botou na cabeça (não sei quem o fez) que ele agora não toma mais cartão amarelo. Onde já se viu cabeça de área que só cerca e não chega junto? Luiz Alberto é outro que pensa que joga bola, mas não corre atrás; por fim Alemão, era reserva na Ponte Preta, não disse pra que veio e tenho minhas dúvidas se dirá. Sou mais Dinei. De quem eu não falei é porque não mereceu que eu falasse mal, por enquanto.

A qualidade mediana do elenco poderá ser compensada se jogar com vontade, raça, determinação, sangue no olho…

O mágico e professor Ney Franco vai ter muito o que fazer.

Estamos ou não estamos num mato sem cachorro?

Pai Nosso que estais no céu…

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

O sonho de um ECVITÓRIA GRANDE. Por Pedro Dórea*

Olá amigos rubro-negros!

O treinador mais uma vez pagou o pato pela política adotada pelo presidente. Ai nem contratando Pep Guardiola ou José Mourinho para dar jeito. Não há milagres!

Embora torça pelo sucesso do novo treinador, pois o êxito dele representará o sucesso do nosso Vitória, eu realmente não creio que Ney Franco tenha o perfil necessário para enfrentar a apatia do comando do Vitória, que desanima jogadores, comissão técnica e até mesmo a briosa torcida do Vitória. Acho que o Ney tem as mesmas características profissionais do seu antecessor, o senhor Caio Jr.

Quando vemos Willie fazer sucesso no Vasco, ficamos a nos perguntar o que está realmente havendo no Vitória, que o liberou repentinamente sem conhecimento dos conselheiros, trazendo atualmente jogadores com quilate técnico inferior e bem mais caros?

Por que Rômulo não é sequer relacionado e Alemão, que era reserva na Ponte, e chegou há poucos dias, entra num jogo importante como titular? Que estimulo terá Rômulo?

Da mesma forma, Juan, que tem menos dias ainda que chegou (e tem problemas com Ney Franco), entrou no lugar do veloz lateral Euller, que estava até bem, apesar de não contar com cobertura da fraca zaga e do nosso meio de campo “cercador” e pouco criativo ?

Por que o time é simplesmente apático no primeiro tempo e “morre de cansaço” no segundo tempo?

Quem foi mesmo o responsável pela prescrição do medicamento que o jogador Escudero tomou? A medicação é ou não permitida? Porque um tricolor declarado é o responsável pelo exame antidoping na Bahia? E no Ba Vi, ele será o responsável pelos exames?

São muitas perguntas sem respostas.

Voltando ao treinador, penso que teríamos de contratar um profissional mais ativo, vibrante e campeão (como Abel Braga, por exemplo), que realmente assumisse o comando do time (em campo e fora dele) sem dar muito espaço a Diretoria para se meter no futebol, pois ela já provou que pouco entende deste assunto, nem mesmo quando investe em bons jogadores (como Maxi e Escudero).

Se é para trocar seis por meia dúzia, tentaria Carlos Amadeu, que é um técnico Campeão na base do Vitória, como foi o treinador do Coritiba (que vem dando certo lá).

Mas a decisão já foi tomada pela Diretoria, e, certa ou errada, agora é torcer e rezar MUITO para Ney Franco acertar nas contratações, que são mais que necessárias (e ainda amarradas) e que ele consiga uns sessenta (60) pontos para nos levar para a Sulamericana, pelo menos.

Tenhamos fé e paciência, pois o fim do ano está muito próximo, vamos esperar uma postura vencedora da nova diretoria do Vitória.

Mas, antes disso, é preciso cuidar de duas DEFESAS no Vitória: a do time, que carece de reforços; e a de Escudero, que precisa provar que não teve responsabilidade na utilização do medicamento prescrito, por ser permitido pela CBF e que a comissão de dopping na Bahia (conduzida por um tricolor) se equivocou (será? tomara).

O NOSSO SONHO É TERMOS UM VITÓRIA CADA VEZ MAIS FORTE. UM VITÓRIA GRANDE COMO É A SUA TORCIDA.

Saudações Rubro-Negras a todos.

*Pedro Dórea é Bel. em Direito e Conselheiro do ECVITÓRIA.

Não CAIO junto!!!

Olá amigos rubro-negros!

Melhores dias hão de vir.

Pior não pode ficar.

Ney Franco e a Diretoria terão muito o que fazer. Só tem um detalhe: é que a Diretoria já devia ter feito a sua parte há muito tempo. Já devia ter contratado jogadores de qualidade para a zaga, meio de campo e laterais. Para as laterais, já chegaram e jogaram – Airton e Juan; para a zaga, ainda não temos, nem para substituir Gabriel Paulista; Para o meio de campo, precisamos de um cabeça de área pitbull e alguém que substitua Escudeiro e o quase falecido Cajá, ou Caijá.

Falando em cair, não CAIO JUNTO, pois há muito vínhamos alertando, eu e toda a NAÇÃO RUBRO-NEGRA. Cairão aqueles que não anteviram esses problemas. CAIO JUNIOR, quando começou a sentir-se na berlinda, declarou algumas vezes que faltavam peças de reposição de qualidade para as posições citadas. Portanto, quando as providências não são adotadas tempestivamente, alguém deverá ser sacrificado como “boi de piranha”. Assim o foi Caio Junior. Não que ele foi injustiçado, pois sabemos que alguns outros têm também sua parcela de culpa.

A gota d’água para que CAIO Junior CAÍSSE foi a derrota para o Criciúma, por 1 X 0, na tarde de ontem (01/09), em pleno Barradão. Se o time do Vitória tivesse jogado com a mesma vontade que demonstrou nos quinze minutos finais, com certeza o resultado seria outro. A saída de Caio Junior, portanto, era uma crônica de uma morte anunciada. Sua permanência dependia do resultado desse jogo. A paciência do torcedor há muito já tinha acabado.

Não podemos deixar de citar a pérola que foi postada (e depois retirada) no site oficial do ECVITÓRIA de que a meta agora seria (sic) alcançar aos magníficos quarenta e cinco (45) pontos, pois assim ficaríamos livres do rebaixamento. Aí eu pensei com meus botões: MEU DEUS, EU JÁ VI ESSE FILME ANTES. No ano passado disseram (alguém disse) que seriam necessários sessenta e oito (pontos) para subirmos para a primeira divisão. ERRO DE PREVISÃO! Não vamos voltar a pensar pequeno. Vamos fazer os investimentos necessários para qualificarmos o elenco e assim continuarmos na parte de cima da tabela de classificação.

Os próximos jogos serão duas pedreiras. Na quarta-feira (04/09), às 19h:30, enfrentaremos o goleado e mordido Flamengo no Maracanã e no sábado (07/09), às 18h:30, jogaremos contra o Campeão da Libertadores, Atlético Mineiro, no Barradão. Serão os jogos da redenção.

BOA SORTE NEY FRANCO!

VITÓRIA, VOCÊ É A SOMA DE TODOS NÓS!!!

%d blogueiros gostam disto: